top of page
  • Rodrigo Lopes Guimarães

Dicas de fotografia de arquitetura.

Atualizado: 4 de set. de 2023

Um imóvel é um produto, e como todo produto, precisa ser retratado corretamente. Uma vez tomada a decisão de venda ou locação, isso deverá se dar o mais rápido possível. Imóvel parado se traduz em despesas como IPTU, taxa de condomínio, e tarifas de energia elétrica, entre outras. Sem contar manutenção e limpeza. É nesse momento que a fotografia profissional entra em cena, mostrando o imóvel da maneira correta. Primeiramente, há que se distinguir fotografia imobiliária e fotografia de arquitetura. A primeira, deve dar ênfase em mostrar a amplitude do imóvel, independente, por exemplo, se este está mobiliado ou não, ou mesmo se está em boas ou más condições. Esse tipo de fotografia tem a função de comercializar o imóvel. Já a fotografia de arquitetura tem o objetivo de mostrar um projeto, seja da edificação propriamente dita ou dos ambientes internos (mobiliário, marcenaria, acabamentos, iluminação). Ou os dois. A grande questão da fotografia imobiliária é a diferença entre a luz do exterior que é infinitamente mais forte do que a iluminação dos ambientes internos. E o primeiro passo para uma boa imagem é usar o equipamento adequado. As objetivas apropriadas são aquelas de "range" entre 10 e 20 milímetros para câmeras de sensor APS-C e entre 16 e 35 milímetros para sensor Full frame. E falando em Full frame: não, ele não é essencial para este tipo de fotografia. Eu utilizo o formato APS-C desde que comecei. Com relação a técnicas de captura, na minha visão, basicamente são três: "Single shot", HDR e Flambient. Muito resumidamente, vamos lá: Se vc tem uma alta demanda, precisa fazer as fotos rapidamente e entregar também no menor tempo possível, o Single Shot é pra você. Um clique, uma imagem. Exposição suficientemente lenta para captar os detalhes do interior e rápida o bastante para não deixar a iluminação externa estourar. Tudo ao mesmo tempo. No mesmo clique. Flash ajuda. Ajustes de exposição, realces e sombras por sua conta no seu software preferido. O meu é o Lightroom. Se você tem mais tempo, (e o seu cliente paga mais), você pode lançar mão do HDR. Câmera no tripé, e de três a cinco cliques no mínimo em bracketing de exposição para captar a luz do exterior e a iluminação que incide no ambiente interno. Finalizamos com a mesclagem das imagens nas diferentes exposições, no software de edição.


Fotografia de Arquitetura Foto Conceito Cursos de Fotografia
As exposições para HDR.

Por fim, temos o rei, o espetacular e adorado Flambient. Ele é muito utilizado nos Estados Unidos (onde, aliás, muito diferentemente do Brasil, um imóvel só é anunciado se tiver fotos profissionais). Mas isso é tema pra outro texto. O Flambient exige mais equipamentos (inclusive uma bela máquina para a edição). Também é, de longe, a mais demorada e a que exige mais investimento. O "prêmio" é um resultado cinematográfico. "Grosso modo", são feitas inúmeras capturas, com e sem luz artificial. Sala grande? Haja flash! Posteriormente no Photoshop as imagens são mescladas em camadas para chegar ao resultado.



Fotografia de Interiores Foto Conceito Escola de Fotografia
Fotografia feita com técnica Flambient.

Fotografia feita com técnica Flambient.

A fotografia imobiliária é o meu trabalho. Já tive a oportunidade de fotografar mais de 3000 imóveis desde 2019. Comecei na raça. Foi muita tentativa e erro. No meio do caminho, tive uma contribuição mais do que valiosa do curso que fiz no final desse mesmo ano na Escola Foto Conceito. É isso aí! Abraços a todos. Dicas de fotografia de arquitetura.

Conheça o Instagram da autor: Rodrigo Lopes Guimarães.

*As opiniões deste texto não necessariamente refletem as opiniões da escola.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page